logo
Sign Up
.

Busca seu próximo destino

Costumes

Costumes

O chimarrão, o churrasco e o futebol marcam o ritmo cotidiano dos uruguaios. Os turistas não poderão eludir alguns costumes na estada pelo país.

  • Tomar chimarrãoAbrir o Cerrar

    O chimarrão é uma infusão cujo consumo é herdado dos índios guaranis. Não só no Uruguai se toma chimarrão, embora seja o país que proporcionalmente mais o faz. Também no Paraguai, na Argentina, no sul do Brasil e em alguns lugares do Chile e da Bolívia. O chimarrão provém da voz quéchua “Mati”- abóbora – que é o recipiente onde se coloca e erva cujo nome científico é Illex paraguayensi. A erva é estimulante devido a seu compoente “mateina”. Ao mesmo tempo, o alto consumo d’água supõe a ação depuradora e sua ação anti-oxidante é benéfica para o organismo. Dentro da erva coloca-se uma bomba através da qual se absorve a infusão. O chimarrão é portador dos mais característicos simbolismos sociais desta sociedade, ao redor dele se tecem complicidades, confessões, amizade e o sentido de iguais entre quem compartilha. O antropólogo Daniel Vidart sostém que “o chimarrão é uma tradição que vence os costumes individualistas do crioulo e emparelha as classes sociais...e através dos tempos é o chimarrão que tem feito as rodas de amigos e não a roda de quem o trouxe”. No mundo os uruguaios são reconhecidos facilmente por onde vão, levam embaixo do braço a garrafa térmica com água quente e a cuia na mão

  • Ir ao “tablado” no CarnavalAbrir o Cerrar

    Antes os bairros se faziam em tablados nas ruas – sobretudo em Montevidéu – uma vez que chegava o carnaval. Era uma tradição que os vizinhos levassem as cadeiras das casas para olharem os diferentes espetáculos que podiam dar as murgas, os parodistas, os humoristas ou as comparsas. Hoje esses espetáculos de bairro foram levados para espaços abertos e tomaram um caráter mais profissional que é acompanhado por um grande marco público.

  • Ir comer um “asado”Abrir o Cerrar

    O asado não só cumpre uma função alimentar, senão também cumpre uma função gregária. “Junarnos a comer un asadito” é uma proposta de reencontro, amizade, de vamos passar um instante agradável. É muito comum no Uruguai que cada casa tenha sua churrasqueira e inclusive os prédios são concebidos com áreas comuns que a incluem. A carne, fonte proteica básica dos uruguaios e a principal fonte de verbas do nosso país, é também um fato de alto conteúdo social.

  • Jogar futebolAbrir o Cerrar

    O futebol é o esporte mais popular do Uruguai. Dois campeonatos mundiais e dois olímpicos de sua seleção mais alguns logros continentais e mundiais de suas equipes, fizeram com que o futebol se viva com inusitada intensidade em nosso país. Mas o uruguaio, sendo público e torcedor de futebol, sobretudo é jogador de futebol. Todas as crianças passaram por equipes infantis e cada lugar, cada canto descampado é um espaço para “jugar a la pelota”. Aliás, o Uruguai é o único país no mundo que tem sinais urbanos que indicam aos veículos que circulem com cuidado porque pode haver crianças jogando na rua.

  • Acampar na Semana de TurismoAbrir o Cerrar

    Desde que o Estado e a igreja se separaram, a Semana Santa adquiriu pelo menos mais dois nomes: Semana de Turismo e Semana Crioula. A Semana de Turismo corresponde a uma tradição de camping que mistura pesca e muitas vezes caça devidamente controlada com férias no interior do país, sobretudo na termas do litoral uruguaio. Esta tradição convoca a todas as idades. Ao mesmo tempo a semana crioula dá o nome às atividades e entretenimentos tradicionalmente vinculados ao campo que se levam à cidade. A doma de potros é o espetáculo por excelência acompanhado de fetivais de folclore. Além das muitas atividades que se realizam em todo o país, uma de suas maiores expressões acontece no bairro montevideano do Prado, na área da Asociación Rural.

  • Comer tortas fritas quando choveAbrir o Cerrar

    Quem sabe por que se vincula chuva à torta frita. É provável que na tradição do campo a impossibilidade de realizar tarefas ao ar livre os dias de chuva os levasse para a cozinha e ali se fazia o mais simples: misturar farinha, gordura, água morna e sal. Amassar e fritar. Expermiente na próxima chuva.